Review Agents of Shield 1x04: Eye Spy

"Todo mundo merece uma segunda chance."

                          


Talvez eu tenha sido exigente com Agents of Shield por esperar uma trama complexa e profunda, mas é Eye Spy que finalmente me fez perceber que isso não irá a acontecer, pois a proposta da série é ser um procedural leve que caminha entre ação e humor. E isso não é algo ruim. Digo isso, pois o episódio não apenas foi divertido, como me fez abandonar minha implicância com Jemma e Leo, além de me deixar convencer complemente por Skye. Apesar do foco do episódio ter sido o agente Coulson, a hacker além de ter sido útil no desenvolver da trama, também se destacou em várias cenas, me fazendo perceber o quão ela funciona bem com os demais, conseguindo ir de um tom dramático, passando por uma mulher desafiadora até alcançar a comédia. E foram justamente essas nuances em sua personalidade que me convenceram.


Assim como Skye, Jemma e Leo parecem finalmente ter encontrado um tom menos caricato. A sequência deles na van, seguido pela tentativa falha de Skye em atirar foi sem dúvida divertida, assim como o jogo de cartas nos bônus do episódio.



O caso da semana se baseou no roubo de uma pequena fortuna em diamantes e sua ladra, ex-agente da Shield que agora se vê controlada por um manipulador desconhecido. Destaque para a cena inicial com os transportadores mascarados passando em meio a praça. A ambientação me fez lembrar a sequência da estação de trem no piloto, com os elementos de arte inseridos no cenário, em uma tendência modernista. O que eu não entendo é como aquele meio de transporte seria o mais seguro, afinal conforme sutilmente colocado, todo o contexto chamava atenção das pessoas ao redor, evidenciando para a ladra e para quem quer que fosse que os homens carregavam algo de valor. 

O plot de Akela Amador ao ser manipulada me incomodou, e não me convenceu o argumento de que ela era usada em missões na qual desconhecia os propósitos, que convivia com uma bomba em seu olho artificial e que não tinha qualquer informação sobre seus manipuladores. A sua relação com Coulson só serviu para contextualizar Skye como a nova protegida do agente, sugerindo uma espécie de relação paternal entre eles.

Apesar de a sequência final ser o clímax do episódio, a melhor cena ficou no embate entre Akela e May, pois esta já evidenciava que não estaria disposta a proteger a ladra, mesmo que ela tivesse sido uma agente no passado. Porém, a sequência de luta entre as duas foi no mínimo curta, e a cena teria um maior potencial.  Na promo, eu subentendi que Akela seria uma espécie de cyborge e por isso aguardei esse combate assim que visualizei a tensão gerada entre May e seu superior.


                                     
Sobre a sequência final com a operação no olho de Akela, enquanto Grant se passava por esta usando óculos, foi incoerente. Afinal, quem quer que tenha a manipulando notaria a diferença na perspectiva mesmo que ele não ficasse em frente a um espelho, pois bastava olhar para baixo ou para os lados (como o agente fez algumas vezes), ou até a mudança de altura entre os dois indicaria que algo estava fora do normal. Porém, relevei esse detalhe por julgar que quem quer que estivesse no controle, sabia da realidade da situação e preferiu brincar ao mandar Grant dar em cima do guarda.

Mesmo tendo sido apresentado um bom episódio, Agents of Shield mais uma vez não traz qualquer continuidade, afinal eles não conseguem descobrir os responsáveis pela operação de Akela e sua manipulação. E talvez seja isso que esteja resultando em uma queda em sua audiência, pois as tramas não trazem nenhum desenvolvimento em torno de algo maior e os agentes concluem os episódios sem conseguir responsabilizar pessoas ou organizações pelos crimes praticados. O que se volta para o citado no inicio da falta de  um arco central, porém a promo do próximo episódio revela um conflito entre Coulson e Skye. "Desde o momento que entrou neste avião, você mente", ele a acusa.



0 comentários:

Postar um comentário