Review The Vampire Diaries 5x06/5x07: - Handle With Care/Death and the Maiden



Finalmente foi concluído (ou pelo menos parece) o mais inconsistente arco central que The Vampire Diaries já teve: Silas e sua  cura. A conclusão foi óbvia, mas digna. E isso é importante. 

Só para recapitular, pois a história é longa e confusa. Silas era um bruxo que enganou Qetsiyah, outra bruxa, para que esta criasse um feitiço da imortalidade que ele acabou compartilhando com seu verdadeiro amor, Amara. Indignada com a traição, Teça cria uma cura para imortalidade e um limbo sobrenatural sustentado pela vida de sua rival. Após isso, ela aprisiona Silas em uma tumba junto com a cura para que ele tomasse a poção, morresse e se encontrasse com ela.  Porém, o bruxo nunca tomara essa atitude e pretendia destruir o local junto com Teça, antes de se tornar mortal e poder encontrar Amara que ele acreditava ter morrido como humana. Porém, esta estava viva e assim que encontrou seu amor, bebeu a cura de seu sangue para finalmente poder morrer, algo que rompeu com os planos amorosos do vilão.

Sabendo dessas informações, a vingança de Teça se mostra diabólica e brilhante. Amara passou dois mil anos sofrendo as dores de ser uma porta para o outro lado. Era extremamente natural, nestas circunstâncias, seu estado aparente de loucura e sua vontade de finalmente morrer para se libertar daquele sofrimento. Por outro lado, Silas passou a eternidade petrificado e se ele tivesse tomado a cura e morrido, teria passado por Amara, um sofrimento para ambas as partes. 



A conclusão ocorre de forma encaixada com Teça conjurando um feitiço que transferiria a posição de âncora com o limbo sobrenatural de Amara para Bonnie, trazendo esta de volta a vida. Era óbvio que o feitiço seria concluído, afinal os roteiristas não teriam mantido a bruxinha no elenco se não tivessem a intenção de que ela voltasse. Porém, a forma como a conclusão foi feita não perde seu mérito. Silas assassinado por Stefan e a morte de Amara minutos antes do feitiço ser selado. Além do suicídio de Teça que finalmente encontra sua vitória, pois Silas foi para o limbo enquanto Amara morreu como humana. Indiscutivelmente, a bruxa foi à melhor coisa de todo o arco e seria interessante se ela se mantivesse na história, mesmo que seu desfecho tenha sido coerente. Talvez, se ela tivesse sido a vilã desde o começo, a trama tivesse tomado rumos menos desgastantes. A questão é que Silas nunca convenceu, seja mudando de formas,manipulando pessoas ou assumindo o rosto de Stefan. Detalhe que ele é o primeiro vilão a concluir o arco central morto, pois John, Katherine e Klaus saíram ilesos nas três primeiras temporadas.

Antes de partir, Teça fez questão de devolver as memórias de Stefan ao perceber que a ausência de lembranças era um grande presente para ele. E realmente o era, afinal o vampiro carrega muita culpa e pesar pelas mortes que cometeu, sem mencionar os traumas decorrentes do seu ciclo de afogamentos periódicos quando preso no fundo do lago. Era inegável que ele estava mais leve e feliz. Porém, Elena sempre faz questão de querer fazê-lo lembrar de quem ele é e ao mesmo tempo avisá-lo de que não o ama mais. A vingança do rapaz sobre Silas era mais que necessária para lhe dar algum conforto por seu sofrimento. E dessa vez, talvez pela primeira vez, Stefan matou seu inimigo sem hesitar.

                             

Bonnie retorna a vida e já ganha um arco de sofrimento de difícil solução. Sua responsabilidade de ser a ponte com o outro lado irá lhe causar muita dor, pois ela passa a sentir cada morte de seres sobrenaturais. Será interessante ver isso, caso algum personagem venha a morrer. A pergunta que fica é se ela volta a ter seus poderes de bruxa.

Apesar do arco central em destaque, Katherine não perde o brilho e ganha um plot que vai angustiar muitos fãs: ela está morrendo. Após ter a cura sugada de seu corpo, ela agora passa a envelhecer a uma taxa não natural, uma tentativa da natureza de cobrar os anos de vida que ela teve a mais que todo mundo. Quinhentos anos é muito tempo. É incrível como ela, mesmo humana e fraca, consegue ser ao mesmo tempo tão forte e interessante, pois em dois episódios ela extrai informações do doutor Max, se passa por Elena, e deixa claro que não quer sua filha Nadya por perto. A interação dela com Caroline foi até interessante, mas não rende shipper, mesmo com a bondade da loira de tentar curar o ferimento da Kathi. Apesar disso, não tem como deixar de se importar com o fato de Teça não ter-la ajudado. Ao que parece, Katherine é a grande aposta dos roteiristas na temporada, e as tramas dela são de longe as coisas mais interessantes da temporada.

Um destaque que merece ser feito é a excelente atuação de Nina Dobrev que consegue fazer uma, duas, três personagens com tons distintos e diferenciados, interpretar consigo mesma e ainda assim se sair bem. Justiça seja feita, a garota é uma ótima atriz.

Perspectivas. A trama agora se lança em direção a descobrirmos sobre o vampiro Augustine, supremo soberano de uma fraternidade universitária. Como o campus está livre para vampiros, e as pesquisas do Doutor Max também parecem render, agora é esperar se esse novo arco central irá agradar ou não.

Obs1: Matt desapareceu completamente.

Obs2: Episódio 100 está chegando.




0 comentários:

Postar um comentário