Crítica The Voice Brasil 3x01- Audições as cegas


As audições as cegas são sempre uma momento peculiar do The Voice. Contato inicial em que a única força do candidato é a voz, neste momento é preciso encantar e ao mesmo tempo tempo convencer de que há muito mais a ser explorado naquele talento. E foram exatamente os cantores que conseguiram passar essa mensagem que se destacaram na estreia dessa terceira temporada do show.

Os três candidatos que conseguiram ser desejados por todos os jurados foram aqueles que trouxeram algo de novo em sua interpretação ou resgataram algo esquecido na cultura dominante do pop, como foi o caso de Gabriel que chamou atenção com seu rock-blues em uma versão de Hoochie Coochie Man. Já Nise Palhares ressaltou seu timbre diferenciado com uma performance explosiva e uma letra ousada (Pagu). Porém, o grande destaque foi sem dúvida Pedro e seu alter ego Deena Love que preencheu o palco  naquela que foi a melhor música da noite Calling You. Como não rir da reação dos jurados ao virarem a cadeira e a falta de desenvoltura destes ao tecerem seus comentários. Alguns quase perderam o ponto. Fiquei me perguntando como teria sido interessante ter tido essa performance nas audições as cegas para o telespectador. 


Gabriel, Deena Love e Nise Palhares, da esquerda para a direita

Reforçando esse argumento, as apresentações das duas não selecionadas, Anadark e Teffy, foram boas porém caíram na banalidade. Pois, embora esta última tenha tentado ousar inserindo um arranjo de guitarra na versão de Set fire to the rain, a primeira se limitou a uma versão sertaneja simplista de um ritmo musical ao qual já estava acostumada e que pouco permitiu que ela se destacasse. O mesmo caso da dupla Ronaldo e Ronael, apesar destes terem tido  mais sorte e garantido a permanência na competição.


Anadark, Teffy e Ronael, da esquerda para a direita
Por isso que a novidade do programa em permitir uma segunda chance se mostra tão empolgante, Dudu Fileti possui uma voz poderosa mas foi eliminado na segunda temporada pois sua performance pecou pela "falta de explosão" nas palavras do Lulu. Uma explosão que ele conseguiu passar nesta noite com uma versão  de Tente Outra vez.  Já a audição as cegas para o telespectador é sem dúvida uma experiência diferenciada do show. Eu particularmente fiquei encantado pela voz doce de Helen Lyu cantando Valerie a ponto de me incomodar a demora dos jurados em a selecionarem.


Dudi Fileti e Helen Lyu, da esquerda para a direita

Sobre as performances de Bruna Tatto, Priscila Brenner, Carla Caroline  e Livia Oliveira foram suaves, encantadoras a seu próprio modo, principalmente a desta última que cantou Vieste com uma leveza emocionante.


Bruna Tatto, Priscila Brenner, Carla Caroline  e Livia Oliveira 


Sobre os jurados, o que dizer? Claudinha e Carlinhos protagonizaram os melhores momentos da noite. Apesar da legião de haters da cantora, a de se concordar que ela é que mais se esforça para trazer momentos de irreverência para o show. Pois alguém lembra de algo que Daniel tenha falado?
Apesar disso, falta carisma ao conjunto e a performance final foi digna de uma chamada de fim de ano da emissora: chata.

Curiosamente o maior destaque do episódio foi Fernanda Souza que comprou a ideia, torceu pelos participantes e apagou completamente a presença de Tiago Leifert. Já quero mais Fernandinha nesta temporada. 

Um comentário:

  1. nise palhares
    como uma pessoa maisamorosa como vocé vocé já é linda sesacional
    como a sua voz tão maravilhosamente linda garota esta na hora pra vc
    canha no the voice brasil 3 opremeiro lugar já estou torcendo pra
    para ouviu nise palhares

    ResponderExcluir